atendimentos

BEM-VINDOS!

Orientações, consultas, partilhas e atendimentos: via skype ou presencial.

Para marcar um horário, escrevam para o email fernanda.manzoli@gmail.com

" Todos os tipos de relacionamentos proporcionam transformação, tomada de consciência e crescimento pessoal e espiritual "

Espero você para este sagrado encontro!!

Somos todos UM!

terça-feira, 24 de maio de 2011

MA ANANDA MOYI 





Eu sou MA ANANDA MOYI.

Caras Irmãs e caros Irmãos na humanidade, que a Paz e o Amor sejam sua morada para a Eternidade.





Eu venho exprimir-me, entre vocês, como Estrela AL.

Vibração e Consciência do Fogo do Espírito.





Minha Irmã GEMMA (ndr: Gemma Galgani) exprimiu-lhes certo número de elementos, concernentes à intricação do Fogo e do Ar.





Hoje, se efetivamente quiserem, vamos, juntos, tentar penetrar mais adiante na instalação em curso da Consciência nova.

Aquela que vai pôr fim à limitação e ao confinamento.





A instalação da nova Consciência traduz-se (para alguns de vocês, e para outros) por modificações visíveis e sensíveis da consciência comum, fazendo-os penetrar espaços inexplorados até o presente que, há ainda uma geração, eram privilégio de apenas alguns Seres, e unicamente de alguns Seres.





Hoje, e durante os tempos da Graça, e nos tempos que restam a transcorrer, muitos de vocês são chamados a manifestar essa Consciência nova, onde nenhum marcador pode ser explicado ou compreendido pela consciência limitada.





A transformação atual, e a passagem à Consciência Ilimitada, geralmente é muito desconcertante para o ser humano que tem a experiência e o hábito do que ele vive como limitação, como confinamento.





A irrupção da nova Consciência (a irrupção do Supramental) realiza-se em vocês, cada dia um pouco mais, e permite-lhes, abandonando-se a ela, viver acessos cada vez mais profundos à Alegria, à Paz, à Vibração da Unidade.

Energia que prefigura e antecipa a Ressurreição nas Moradas da Eternidade.





Quaisquer que sejam as manifestações que cada um de vocês prova e vive, elas são todas destinadas a conduzi-los ao seu novo estado.

É claro, segundo sua história pessoal, esse estado pode ser vivido com mais ou menos resistências, mais ou menos dificuldades, ou com mais ou menos facilidade.

De sua capacidade para sair de suas próprias emoções e de suas próprias atividades mentais decorre a facilidade com a qual vocês se instalam na nova Consciência.





Bem além de seus períodos de alinhamento e de Interiorização isso vai, doravante, cair-lhes em cima, não importa em qual momento de sua vida, chamando-os para sempre mais Abandono, sempre mais Alegria, sempre mais Paz, a fim de aclimatá-los, de algum modo, ao seu novo estado, porque é, efetivamente, um novo estado que emerge em sua Consciência, em seu corpo e no conjunto do que é chamada a Vida.





Como o disseram alguns, a aurora do Dia Novo começou.

A nova Luz levantou-se e despertou nesse mundo.

A Fusão dos Éteres foi realizada, permitindo à Luz Branca instalar-se, agora, sobre esta Terra e em sua Consciência.





Como nós sempre dissemos há, em vocês, a totalidade do que é útil, suficiente e necessário para viver, doravante, o que há a viver.

Além de certo número de etapas (que inúmeros de vocês seguiram, através dos diferentes yogas dados por UM AMIGO), hoje, é-lhes solicitado penetrar a própria Essência da Vibração, a Essência da Vibração Final, como eu a chamaria, permitindo-lhes viver e estabelecer-se na nova Consciência.





Os sinais, presentes em vocês, não enganam.

Seja ao nível da intensidade das Vibrações que os percorrem, seja, mesmo, ao nível de modificações da consciência comum, esses sinais são os testemunhos de seu acesso a esse novo estado que se revela, em vocês e ao redor de vocês.

Essas manifestações são, de algum modo, encorajamentos para estabelecer-se, cada vez mais profundamente, em seu Samadhi, em sua Alegria e em sua Eternidade.

Isso se realiza a cada dia, a cada Instante.





A cada respiração de vocês, vocês têm a possibilidade de penetrar, mais adiante, essa nova Consciência, esse novo estado, aquele que lhes permite, pouco a pouco, mudar inteiramente.





A Graça oferece-lhes a chance inesperada de viver um mecanismo, eu diria, de aprendizado e de aclimatação a esse novo estado.

Alguns de vocês, vivendo esses estados desde extremamente muito tempo (em anos), têm a chance de aclimatar-se muito mais facilmente a essa nova Consciência, a esse novo estado, permitindo, com isso, reforçar seu papel de Ancoradores da Luz, permitindo, a cada Sopro, manifestar a Luz, mesmo em sua vida e em seu ambiente.





É claro, existem ainda (mesmo para aqueles de vocês que são os mais avançados), como sempre, as últimas Sombras para deixar evacuar-se, não necessitando qualquer atenção de sua parte, a não ser olhá-las e aceitar deixá-las dissolver-se, pela ação da Luz, de sua Inteligência e de sua Beleza.





O período que vocês vivem, e que vai abrir-se para vocês, é um período em que vocês poderão experimentar, de maneira, eu diria, cada vez mais profunda, os estados de Alegria e de Samadhi os mais intensos, não devendo, contudo, fazê-los perder de vista e de Consciência que seu papel (se é que haja um papel) é aquele de manifestar e de encarnar, cada vez mais, em sua carne e em seu Espírito, essa Consciência nova, conduzindo à Ressurreição da Terra, assim como a sua.





É claro, vocês entraram (como foi dito) nos Tempos Proféticos anunciados, tanto nos escritos Ocidentais como Orientais, chamados Apocalipse de São João, ou descrição do fim do Kali Yuga.

É muito exatamente isso que vocês vivem, em vocês como sobre esse mundo.





Mais do que nunca, as escolhas serão aportadas, de maneira definitiva e irremediável.

Mais do que nunca vocês apreenderão, mesmo em seu mental, que há apenas duas escolhas, e duas somente.

Progressivamente, a Consciência da Alegria, dessa nova Consciência, vai conduzi-los a ir mais adiante, num Caminho ou no outro.





Retenham bem (e isso, eu repito, foi dito em numerosas reprises), que não há Caminho melhor do que outro.

Há apenas um Caminho que lhes é adequado para reencontrar o que vocês São, para terminar a experiência da Separação, ou para prossegui-la em outros espaços-tempos.





Cada um de vocês faz o que pode em sua própria consciência, a fim de atualizar, de algum modo, o estado de Samadhi, de Alegria, de Ressurreição que se instala progressivamente.





É claro, existirá um momento, marcado entre todos, em que a face do mundo vai mudar e em que o estado de sua consciência vai também mudar, de maneira definitiva.

Esse momento ser-lhes-á anunciado (isso também vocês sabem) no momento oportuno.

Até lá, vocês devem, ao mesmo tempo, viver essa nova Consciência e, para alguns de vocês, continuar a efetuar uma ação na consciência comum, devido às suas responsabilidades.





Lembrem-se de que cada um de vocês encontra-se exatamente no bom lugar, exatamente na boa idade, exatamente na boa situação para o que há a manifestar, a viver e a Conscientizar.





O marcador indissociável do acesso à sua nova Consciência é a manifestação, intermitente ou permanente, de seu estado de Alegria, bem além das emoções do humano, bem além das satisfações, mentais ou outras, da vida comum.

É nesse estado específico, vivido por instantes ou de maneira permanente, que se encontra tudo o que é necessário para estabelecê-los, ainda mais fortemente, eu diria, em sua nova Consciência.





Nós estamos perfeitamente conscientes, o conjunto de minhas Irmãs e eu mesma, de que alguns de vocês, sobre este planeta, não tiveram ainda a oportunidade de viver, ainda que fosse uma vez, a experiência da Alegria e do Samadhi, porque, quando a viverem (aqueles que não a viveram), desde a primeira experiência compreenderão e viverão o que quer dizer a ausência de emoções, a ausência de mental, a ausência de medo e o estabelecimento na Eternidade.

Antes, podem apenas existir interrogações para saber se é aquilo, ou isso.





Todas essas interrogações desaparecerão por si, para aqueles de vocês que não viveram ainda a manifestação da Alegria (do Samadhi), porque existe ainda, nestes, talvez, medos.

Medo de abandonar-se ao Desconhecido.

Medo de ir para esse Desconhecido, porque esse medo está, efetivamente, inscrito no mais profundo da consciência comum.





A consciência comum é feita para viver nessa matriz e não é feita para experimentar e viver o Ilimitado, o Desconhecido.

Então, sim, podem existir recaídas [voltas].

Essas voltas de medos não são obrigatoriamente ligadas à sua própria história, aos seus próprios freios, mas, efetivamente, aos freios existentes na humanidade, de maneira coletiva, e que impedem aceder a essa Alegria.





O mental vai, então, reconduzi-los, inexoravelmente, às preocupações comuns da vida, aos desejos comuns da vida, no sentido das responsabilidades.

Tantos elementos que podem alterar a vivência de seu primeiro Samadhi.

No entanto, jamais as circunstâncias desta Terra estiveram assim tão próximas da Revelação da Luz, em sua totalidade.





Alguns de vocês devem encontrar mais tempo, mais intensidade, na Intenção de Luz.

Desviar-se de toda forma de conhecimento exterior, de toda satisfação do ego, em todo o sistema de conhecimento.

Ir para mais Simplicidade, para mais despojamento.





De fato (como alguns disseram pelo passado), tudo, absolutamente tudo está já em vocês.

E eu diria, hoje, muito mais do que nunca, porque, em vocês encontra-se, já, a semente de sua Eternidade.

Resta, apenas, revelá-la, de algum modo, Conscientizá-la, pela ressonância com a Luz que se derrama sobre a Terra, por essa Comunhão e essas pontes que foram estabelecidas, entre a consciência limitada da Terra e essas Consciências situadas além das limitações.





Hoje, cada um de vocês é um Chamado, potencialmente, desejando-o, e pode ir, instantaneamente, para sua Alegria.

Não existe qualquer obstáculo, exceto você mesmo, para seu estabelecimento na alegria.

Nada há a buscar no exterior, nenhuma causa, nenhum sofrimento.

Não há outro responsável que você mesmo.





Então, é claro, isso não é dito para culpá-los, ou para torná-los responsáveis por seu não Samadhi, mas, efetivamente, para atrair sua Atenção e sua Intenção sobre o fato de que você está sozinho, para isso, face a você mesmo.





Não há qualquer circunstância exterior e qualquer circunstância passada que possa limitá-los no acesso a esse Samadhi, se não é você mesmo, no instante presente.





Vocês devem, efetivamente, agora, e a cada dia (as circunstâncias de suas vidas demonstrarão, de uma maneira ou de outra), de algum modo, depor as armas do ego, depor as armas do querer, da vontade, e penetrar nas esferas da Inocência e, ao mesmo tempo, da maturidade.





É para isso, durante os últimos tempos da Graça desse mês, que vocês são chamados.

A quantidade de Luz que se derrama atualmente sobre a Terra é amplamente suficiente para permitir-lhes vivê-lo, inteiramente.

E também por pequenos toques.





À medida que vocês penetrarem esse estado de Consciência, vocês se aperceberão, por si mesmos, que tudo o que fazia seus próprios limites, suas próprias emoções, suas próprias atividades mentais, vai então cessar por si mesmo, permitindo-lhes libertar-se, pouco a pouco, dessa personalidade, desse papel, desse corpo mesmo, a fim de viver a Fusão com sua Eternidade, o reencontro com a Luz Branca, o CRISTO, o reencontro com sua Verdade.





Isso se desenrola nesse momento mesmo.

Cada um, eu repito, no ritmo que lhe é próprio, mas que, entretanto, hoje, é extremamente reduzido.





As circunstâncias são inteiramente reunidas para permitir-lhes viver o acesso ao seu primeiro Samadhi.

Aqueles de vocês que já o viveram vão ver-se aceder a estratos de Samadhi muito mais intensos e aproximando-se, cada vez mais, de estados de Dissolução, bem além da Alegria onde há, real e concretamente, uma perda total da individualidade, uma perda total de todo marcador existente na limitação.





Essas etapas correspondem à Fusão definitiva dos Éteres e ao movimento, de algum modo, da parte terminal de sua Lemniscata Sagrada, traduzindo a passagem da consciência limitada, inteiramente, à Existência.





O testemunho, é claro, é a ativação da zona chamada AL-AL (ndr: zona situada na linha do nariz – ver ilustração na rubrica «protocolos a praticar» de nosso site), convidando-os, por essa última Reversão, a penetrar sua própria Ressurreição.





Todos os limites e todas as barreiras vão, então, cair, na condição de que vocês mesmos aceitem não mais ser limitados e não mais colocar barreiras para o estabelecimento do que vocês São.





Vocês serão chamados, cada vez mais, pela Luz, para estabelecerem-se nesse estado.

Então, é claro, o ego (o que dele resta) vai gritar, vai urrar que vocês têm outra coisa a fazer nesse mundo, que vocês têm responsabilidades, que vocês têm ações a realizar.

A Consciência de sua Ressurreição, de modo algum, vê as coisas do mesmo modo, porque, penetrar a Existência é, efetivamente, despojar-se, e aparecer totalmente nu de tudo o que faz sua vida nessa Ilusão.





Vocês não poderão (cada vez menos) manter a Ilusão e penetrar a Existência.

É nisso que os Caminhos vão separar-se, em vocês como no exterior de vocês, de maneira cada vez mais intensa, cada vez mais importante e cada vez mais evidente, também.





Lembrem-se de que, a partir do instante em que vocês tiverem penetrado as primeiras etapas do Samadhi, naquele momento vocês farão sua escolha em todo conhecimento de causa, de tomar tal Vibração ou tal outra Vibração.

Mas que essa escolha, antes, é apenas um pedido, de algum modo, do mental, de seu afetivo ou do impulso da alma, mas não é, absolutamente, a realidade e a Verdade do Espírito, porque só o Espírito compreende o Espírito.

E só o Fogo do Espírito pode pôr fim ao fogo do ego.





O fogo do ego não lhes servirá jamais para penetrar o Fogo do Espírito.

Nesse sentido, e em outros termos, isso foi chamado o Abandono à Luz, que se vive, agora, de maneira coletiva, devendo fazê-los superar, de algum modo, os últimos apegos, as últimas barreiras, os últimos confinamentos, os últimos limites.

Isso se viverá, em vocês, cada vez mais claramente, na falta de ser cada vez mais fácil.





Vocês não poderão obter qualquer ajuda no exterior de si mesmos, porque tudo, efetivamente, desenrola-se em vocês, e unicamente em vocês.

Nada do exterior pode afetar esse Caminho.





É claro, o ego vai buscar as circunstâncias exteriores para ali prendê-los.

Mas vocês perceberão, muito claramente, no Interior de sua primeira etapa de Samadhi, que, efetivamente, são vocês que têm todas as cartas na mão, e todos os meios de ação, em vocês.

Que todo o resto, eu repito, é apenas ilusório e Ilusão.





Esse é um processo que se instala de maneira coletiva, chamando, de maneira individual, a ali responder, cada um à sua maneira, cada um ao seu modo.

Mas isso se desenrola agora.





O que se prepara é, efetivamente, sua Ressurreição aos mundos da Eternidade.

Então, é claro (como suas tradições no Ocidente sempre disseram e como nós também, no Oriente, isso foi dito e escrito), ninguém sabe a hora, ninguém sabe a data desse basculamento final.

Mas vocês sabem que ele está inscrito num prazo extremamente curto, mesmo em relação a uma vida humana.





Então, é a vocês que cabe encontrar, nesse Samadhi e nessa reconexão à sua Eternidade, tudo o que é suficiente para levar a efeito sua própria Liberação, de seu próprio ego, de seus próprios apegos, de sua própria personalidade.

Isso se desenrola em vocês.





Essa alquimia, agora, vai trabalhar, eu diria, a plena velocidade e a pleno rendimento, chamando-os, sempre e sempre mais, a viver momentos de Alegria, seja em suas noites (de maneira por vezes difusa ou confusa), seja em seus períodos de alinhamento e, como eu dizia, geralmente não importa em qual momento, agora.

Cabe a vocês saber responder.

Cabe a vocês levar, a esse apelo da Luz, toda a Atenção necessária e indispensável para que ela estabeleça-se em vocês, e revele-os à sua Eternidade, da maneira a mais simples e a mais confortável possível.





Lembrem-se de que a Luz é Inteligência, de que ela se precipita em vocês e que, conforme os caminhos que vocês abram a ela, ela irá, espontaneamente, nutrir o Fogo de seu Espírito, ou então nutrir o fogo do ego.

Os resultados, obviamente, não serão absolutamente os mesmos, em seu Andamento e em seu destino, de Revelação à sua própria Luz.





Tudo isso se desenrola em vocês agora, como eu dizia, com cada vez mais lucidez, cada vez mais Consciência.

Apenas a personalidade é que buscará desviá-los do que é vivido, desviá-los do essencial, porque tudo isso, para ela, absolutamente não existe, e representa o horror o mais total.





Mas vocês extrairão desse Samadhi, nessas experiências, em sua penetração nesse estado novo de Consciência, a força e a Potência necessárias para dizer o que há a dizer, para fazer o que há a fazer e, sobretudo, para Ser o que há para Ser.





Lembrem-se de que absolutamente tudo está no Interior de vocês.

Que nunca mais haverá algo a buscar no exterior.

Há, em vocês, tudo o que é necessário para viver sua completude e, sobretudo, seu acesso a essa Alegria e à sua Eternidade.





O conjunto de elementos, de ressonâncias Vibratórias que foi derramado pelos Arcanjos e pela própria Luz permite, agora, estabelecer, em vocês e sobre a Terra, a última etapa da Ressurreição.





Então, meu apelo é um apelo solene para preparar-se.

Essa preparação é unicamente Interior.

Ela não tem qualquer necessidade de uma preparação qualquer exterior, porque todas as soluções estão em vocês, quaisquer que sejam.

A nutrição está em vocês.

O companheiro está em vocês.

A segurança está em vocês, ela não estará jamais no que a personalidade e a educação inculcaram, em algo de exterior.

Ao contrário, essa segurança exterior representará, sempre, um freio importante para a Consciência Ilimitada, porque na consciência limitada, existe certo número de barreiras, que existem espontaneamente assim que a consciência limitada vai procurar premunir-se do que quer que seja.

Assim que o medo dite-lhes comportamentos, naquele momento, a Consciência Ilimitada e a própria Luz afastam-se de vocês, de maneira tão certa como se vocês lhes voltassem as costas, de algum modo.





Tudo isso, tudo o que eu enuncio agora, vocês viverão a cada dia.

Vocês o viverão em Consciência, e em plena lucidez.





Isso se tornará, para cada um de vocês, cada vez mais evidente, cada vez mais sensível, eu diria, e cada vez mais perceptível.

Então, habituem-se a acolher a Luz quando ela se derrama em vocês.

Qualquer que seja sua hora, qualquer que seja seu momento, não há obstáculo algum que seja.





Se vocês estão conduzindo um veículo, parem.

Se vocês estão comendo, parem.

Se vocês estão falando, parem.

O apelo da Luz vai tornar-se cada vez mais intenso.





Eu os engajo a olhar, por exemplo, minha experiência, quando eu estava nesse corpo limitado, como vocês, e quando o Samadhi levava-me, independentemente de qualquer vontade, para tempos geralmente indeterminados.

Eu jamais recusei, em minha vida, o afluxo da Luz.





Cabe a vocês saber, agora, o que vocês privilegiam.

Cabe a vocês saber, agora, o que vocês têm vontade de destacar e transmitir.

Cabe a vocês saber se vocês querem realizar a Luz ou não.

É para isso que vai chamá-los sua própria Ressurreição.





Qualquer que seja a hora do apelo, qualquer que seja a tarefa que vocês efetuam na personalidade, cabe a vocês decidir se decidem, realmente, ir à Existência (na Paz, na Alegria, no Samadhi) ou continuar uma atividade exterior.





É claro, cada um de vocês viverá esse apelo de maneira profundamente diferente.

Alguns verão estabelecer-se, em si, mudanças radicais e impressionantes.

Outros irão mais compassadamente, para essa Ressurreição.

Outros, enfim, verão as circunstâncias de sua vida modificar-se de maneira quase instantânea e fulminante.





Quaisquer que sejam as circunstâncias (seja compassadamente ou de maneira fulminante) compreendam, efetivamente, que é sempre a Luz que age em vocês, que não pode existir Sombra alguma na Unidade.

Podem apenas existir resistências à Unidade.





Então, é claro, o ego vai chamar essas resistências de Sombra.

O ego vai chamá-las de obstáculos, vai recorrer a uma dialética de tipo Dualitária, recolocando-os, sempre e ainda, no princípio do bem e do mal.





Compreendam que esse jogo não tem mais lugar de ser.

Existe apenas a Luz, se vocês se tornam Luz.

Não pode existir obstáculo algum, no exterior de vocês, como em seu Interior, se vocês acolhem a Luz, inteiramente.





Assim, portanto, se vocês são reconduzidos a viver experiências contrárias à Luz (seja em vocês, como no exterior de vocês), nada há a combater, nada há a opor, há apenas a apreender o alcance, a mensagem, pedindo-lhes para ir, sempre mais, para sua Unidade.





Em resumo, todas as soluções estão na Luz e na Unidade.

As soluções aparecer-lhes-ão, se vocês aceitam, cada vez mais claramente em seus estados de Consciência nova, em seus estados de Samadhi e de Alegria e, cada vez menos, na personalidade e em suas ocupações habituais.





É assim que se vive, para cada um de vocês, a Ressurreição que está se instalando sobre esta Terra.





Aí estão as algumas palavras que eu tinha a Vibrar em vocês.





Se temos, e eu assim espero, um pouco de tempo, responderei às suas questões, se elas existem, concernentes a esse processo, e unicamente a isso.





Então, Irmãos e Irmãs, a palavra está com vocês.





Questão: como se fusiona com a Vibração?



Cara Irmã, a Consciência é Vibração.

Tornar-se a Vibração é desposar.

O Fusionar não pode realizar-se com técnica alguma, porque esse último passo é, justamente, a passagem ao Coração.

É o momento em que os últimos medos são transcendidos pelo afluxo e pela intensidade da Luz.





Não há, portanto, técnica, propriamente dita (mesmo se certo número de elementos foi-lhe comunicado, para favorecê-la).





Uns e outros, nós sempre dissemos que apenas você é que pode cruzar essa última etapa e dar esse último passo.

Vocês devem, primeiramente, identificar, pela iluminação da Luz, os freios e resistências de sua própria personalidade e de seu próprio ego, porque, de fato, não existe obstáculo algum exterior, absolutamente nenhum.





Aceitar colocar a Luz sobre o que é a personalidade é aceitar nela ver as Sombras.

Não para combater, eu repito, mas, efetivamente, para vê-las.

O simples fato de iluminá-las e de vê-las permite à luz, então, estabelecer-se inteiramente e em majestade.

E abre-lhes as portas de seu próprio Samadhi.





Questão: relativamente às contrariedades que nos irritam, convém simplesmente recorrer à Luz e pedir-lhe para dissolvê-las?



Cara Irmã, somente o ego é irritado, o Espírito não o é jamais.





A única solução é passar ao Espírito e, portanto, aceitar ver essas contrariedades sem querer, necessariamente, agir naquilo, porque isso recorreria, imperativamente, às energias da Dualidade, da matriz, e isso a afastaria, ainda mais seguramente, de seu estado de Alegria.





Numerosas frases foram pronunciadas pelo CRISTO, como: «Busquem o Reino dos Céus, e o resto ser-lhes-á dado em acréscimo».

A contrariedade pertence ao efêmero e à Ilusão.

Ela não é a Verdadeira Vida.





Se existem, em sua vida, elementos de contrariedade, é que você ali dá peso e corpo e, pelo princípio de Atração e de Ressonância, você é a única responsável.

Não existe nada além de você mesma.

Não existe nada além do Si.





Enquanto você dá um peso, com um olhar exterior de contrariedade (dita exterior), você se afasta, seguramente, de sua Existência, naqueles momentos.





Questão: portanto, deixar a Luz do Espírito penetrar é a solução?



Cara Irmã, a questão não se coloca nesses termos, porque, a partir do momento em que você penetra o Fogo do Espírito, a contrariedade não existe mais.

Se ela persiste, é que não há Fogo do Espírito.





Apenas o ego é que vive a projeção nesse mundo.

Apenas o ego é que vive as alternâncias de alegrias ilusórias (chamadas prazeres), de medos, de contrariedades.

No Espírito, tudo isso não existe.





Portanto, isso não se coloca assim.

Isso se coloca como: «Eu penetro o Espírito e eu estou Liberada, pelo Fogo do Espírito».

E não: «Eu espero que o Fogo do Espírito faça desaparecer minhas contrariedades», porque isso é utilizar a Luz para o ego, e não para o Espírito.





Questão: o estado de Graça e o Samadhi são os mesmos estados?



Cara Irmã, seria necessário que você me dissesse, primeiramente, o que você chama um estado de Graça.





O Samadhi é uma Graça.

O estado de Graça pode manifestar-se por certo número de elementos.

Assim, portanto, não posso responder à sua questão de maneira tão simples e evidente.





O Samadhi, assim que você o vive, você sabe pertinentemente o que é porque, naquele momento, há uma reconexão fulminante à sua Consciência Supramental ou Eterna.





É possível viver, na vida comum, estados de Graça ou momentos de Graça, sem, no entanto, penetrar a Eternidade.





Assim que a Consciência descobre, ainda que apenas uma primeira vez, e vive realmente o Samadhi (mesmo sem viver essa Existência, fora desse corpo), ela sabe, pertinentemente, o que é.

E então, naquele momento, a questão não se coloca mais.





Questão: como penetrar o Fogo do Espírito?



Cara Irmã, isso corresponde, inteiramente, ao que eu exprimi há duas questões.

O Fogo do Espírito é vivido apenas quando o fogo do ego está apagado.

E isso não pode ser diferentemente.

Isso quer dizer: quando você aceita, em todos os sentidos (simbólicos, concretos), sua própria morte.

Isso não quer dizer morrer para esta Dimensão, mas morrer no si, para o «eu», para viver o Si.

Isso pode ser realizado apenas quando não há mais atenção levada, de maneira exagerada ou exclusiva, à vida comum.





É extrair-se desse mundo para penetrar os mundos do Ilimitado.

É viver o acesso a essa Consciência Ilimitada.





O Fogo do Espírito pode ser vivido (e há alguns testemunhos) apenas com a primeira etapa, é claro, que é, hoje (uma vez que os canais do Céu estão abertos), a manifestação da Coroa Radiante (da cabeça, no mínimo), assim como a Cruz da Redenção.





A partir daí, a Luz faz de vocês um Chamado.

Mas o ego tudo fez para disso apreender-se, para nutrir-se ele mesmo.





O Fogo do Espírito é vivido assim que o fogo do ego não é mais nutrido, de maneira alguma.

Quando há, realmente, essa Crucificação.

Quando há, realmente, a morte, em si, de tudo o que não é o Si.





É necessário, para isso, parar as emoções (e isso foi dito desde muito tempo, em todos os ensinamentos).

É preciso parar o mental, mas, eu repito, a palavra «é preciso» não é uma ação do ego, mas, bem mais, um modo de iluminar por si mesmo o que é o mental, o que são as emoções e não mais estar identificado, em momento algum, a isso.





Isso permite, naquele momento, ao Fogo do Espírito, presente ao nível da Cruz da Redenção, penetrar o ponto ER e estabelecer-se no Coração.

Naquele momento, o Samadhi torna-se possível.





Questão: sabendo que há várias etapas do Samadhi, a que pode corresponder o sentimento de sentir um bloqueio que impediria viver a última etapa do Samadhi?



Caro Irmão, a Consciência da Ressurreição estabelece-se sobre a Terra.





Como eu disse, a Fusão dos Éteres está realizada sobre a Terra.

Resta mais, apenas, a penetração da Luz Branca, em sua totalidade, chamado o Retorno do CRISTO.





Agora, a expectativa em si é uma barreira colocada pelo ego.

A expectativa cria uma tensão, que não é uma Tensão para o Abandono, mas uma tensão para o ego.





Naquele momento, o ego desempenha um papel que eu chamaria perverso, fazendo-o crer que há algo a esperar, enquanto isso já está aí.

Há apenas a realizá-lo, ou a Revelá-lo, porque tudo está já aí.

Sobretudo agora, de maneira mais Consciente e evidente.





O elemento que freia ou bloqueia, como eu disse, estará sempre no Interior de vocês.

Então, como eu disse também, existem esses famosos medos, oriundos, mesmo, da estrutura humana, mas que, hoje, tendem, coletivamente, a apagar-se, pela intensidade e pela qualidade da Luz.





De algum modo, o soltar está longe de ser suficiente, porque o soltar provoca uma expectativa.





O Abandono à Luz poderia chamar-se, se você prefere, em sua linguagem, uma forma de Renúncia.

Renúncia a si mesmo, à sua vida, aos seus apegos, ao que você crê ser.

Enquanto há uma pessoa, em você, que crê que vai Realizar, e que espera algo, é claro, é apenas o ego que se exprime e será sempre assim, para todo ser humano.





Viver a Consciência expandida, na experiência denominada Turiya, ou o quarto estado da Consciência, como ANAEL falou há algum tempo (ndr: ver canalização de ANAEL - 1, de 9 de abril, em nosso site), corresponde a isso.

A Consciência de vigília comum deve apagar-se inteiramente.

Ela não deve, portanto, nem mesmo manifestar o que você chama expectativa, ou esperança do que quer que seja, porque a esperança e a expectativa mantêm o ego permanentemente.





Questão: a desidentificação de tudo permite atingir o Samadhi?



Cara Irmã, na condição de que a desidentificação (assim como você nomeia) não seja um trabalho ativo do ego.





Viver a Crucificação, a Ressurreição, a Transmutação, na Consciência nova, faz-se quando tudo o que pertence ao ego está aniquilado.

Mas não por um combate do ego.





É justamente a ausência de expectativa, a ausência de desejo, em alguns casos, uma Tensão total para a Luz que realiza isso.





Isso foi chamado as etapas chamadas a Dissolução (que alguns de vocês começarão a viver).

São os momentos (que podem ser vividos em diferentes ocasiões, ou de maneira fugaz ou intensa) em que vocês chegarão a perceber que são o Tudo ou o Nada, o que é exatamente a mesma coisa.





Questão: sentir-se completamente dissolvido, num estado em que tudo é Luz e em que tudo é Amor, corresponde ao Samadhi?



Sim, a partir do momento em que há Alegria, realmente vivida.

Sim, a partir do momento em que isso seja uma Transcendência da Consciência, em que não existe personalidade alguma.

Esse momento é perceptível entre todos, porque ele assinala o fim irremediável da personalidade (e não da vida nessa Dimensão).





Questão: como não enganar-se entre o fogo do ego e o Fogo do Espírito?



Cara Irmã, aquele que vive o Fogo do Espírito não pode enganar-se.

Apenas aquele que vive o fogo do ego é que se engana.

Não é o mesmo fogo.

Não são, absolutamente, as mesmas manifestações.





O fogo do ego arrasta-os para uma apropriação da Luz.

Ele os arrasta para os prazeres.

Ele os arrasta para a satisfação do próprio ego.





A reivindicação, do que quer que seja, será sempre do ego.





O Fogo do Espírito basta-se a si mesmo.

Ele desencadeia, justamente, a Alegria Interior, que nenhuma circunstância do ego, da vida exterior, pode vir alterar.





O fogo do ego, enfim, não corresponde ao Fogo do Coração.

Ele corresponde ao fogo do plexo solar (ou de outros chacras situados ainda mais abaixo) despertando, então, as paixões, os impulsos, as emoções, os medos, mas absolutamente não o Amor e a Alegria.





Não temos mais perguntas, agradecemos.





Irmãs e Irmãos nesta humanidade, que o Amor e a Unidade estejam em vocês.





Eu deixo esse canal e volto em alguns instantes estabelecer-me em vocês para acompanhar, de maneira privilegiada, seu espaço de alinhamento e, eu espero, de Unidade.





Com todo meu Amor, até já.


__________________

Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com

Mensagem publicada em 22 de maio, pelo site AUTRES DIMENSIONS.











Nenhum comentário:

Postar um comentário